[REVIEW] RAYMAN LEGENDS DEFINITIVE EDITION se torna ainda mais imperdível no Nintendo Switch

Rayman Legends é definitivamente um dos melhores games de plataformas já feitos. Desde seu estilo gráfico, que faz excelente uso do motor da Ubisoft, UbiArt, até seu level design criativo e variado, totalmente recompensador, o game superou seu antecessor, Origins em tudo, conseguindo expandir ainda mais o universo do personagem.

Quando anunciado, o jogo seria exclusivo do Nintendo Wii U. Percebendo que o console não iria tão bem quanto o imaginado, a francesa Ubisoft distribuiu o jogo para as demais plataformas existentes no mercado, e finalmente chegou ao Nintendo Swicth em uma Edição Definitiva.

Rayman Legends nunca se sentiu tão em casa quanto no novo console da Nintendo. Quando portado pra outros consoles que não possuem controle com tela de toque, e nem duas telas, o jogo recebeu adaptações nos menus e navegação pelas fases. O que antes era feito com toques na tela, foi transportado para o pressionar de botões. A natureza híbrida do Switch permite que as duas formas de jogar estejam presentes. No modo TV, o game funciona como no PS4 e Xbox ONE, todo controlado por botões. Já o modo portátil aceita comandos de toque que estão em um modo à parte, exclusivo da plataforma, chamado de “O Toque de Murphy”, onde se joga as fases presentes no modo principal, mas controlando Murphy com comandos de movimento.

Curtir Rayman Legends Definitive Edition com amigos transforma a experiência em uma das mais divertidas do Switch. O console vindo de fábrica com fator multiplayer, aumenta ainda mais as chances de juntar a turma. É possível jogar com todos os controles, inclusive os Joy-cons na horizontal. A jogabilidade democrática de Rayman abraça a todos, e em pouco tempo, até quem não é familiarizado com games vai entrar na brincadeira. Vale ressaltar que diferente da versão de Wii U, não é possível o multiplayer para cinco pessoas, que existia por conta do Gamepad. Quatro jogadores jogavam as fases com os controles tradicionais, enquanto uma outra pessoa controlava Murphy na telinha do Gamepad. Mas nada que atrapalhe a experiência.

A Edição Dedinitiva conta com o retorno do divertido modo “Kung Chute”, onde é possível reunir os amigos para partidas caóticas de futebol. Essa modalidade só pode ser aproveitada em modo multiplayer. A novidade fica por conta da possibilidade de jogar com vários consoles, conectando eles via rede local sem fio, e cada um curte o game em sua própria tela. Uma pena essa forma de jogar não seja possível nas fases principais. Seria um diferencial muito bacana.

Telas de loading já existiam na versão de Wii U, mas foram eliminadas no PS4 e Xbox ONE. No Nintendo Switch elas não só voltaram como levam mais tempo para passar. Novamente não estraga a experiência no geral, mas bem que a Ubisoft poderia mandar um patch de correção pra deixar as coisas mais rápidas, principalmente porque o console utiliza cartuchos e cartão SD, que tornam tudo mais ágil. Talvez seja algo relacionado a compactação, pois no Switch, o game ficou com seu menor tamanho de download, pouco menos de 3Gb. No Xbox por exemplo, já está passando dos 8Gb.

Rayman Legends portátil não é novidade. O game recebeu uma versão para o PS Vita em seu lançamento. Porém, é no Nintendo Switch que está brilhando nessa parte. A tela do console é suave e agradável, realçando a beleza do jogo. As cores e efeitos conseguem ficar ainda mais atraentes na telinha do que na TV grande. Um encanto. A desvantagem fica para quando a câmera se afasta do jogador por algum motivo, tornando os personagens muito pequenos, o que pode atrapalhar na hora de executar pulos e manobras. O lado bom é que não acontece muitas vezes.

Os Joy-cons são as coisas mais legais do Nintendo Switch, porém, a Ubisoft desperdiçou um dos grandes potenciais do controle, que é o HD Rumble. A vibração que segue o contexto do jogo, trazendo sensações diferentes conforme o que está acontecendo na tela, não foi utilizada aqui. Uma pena, pois seria muito divertido sentir o controle vibrar nas fases musicais com ritmo por exemplo.

O game principal se encontra intacto, o que é perfeito. O level design é inteligente e estimula o jogador a passar correndo pelos lugares, mas sem abrir mão da exploração. Passar pelos níveis é algo que não requer uma habilidade extrema, mas coletar todos os segredos escondidos pelos cantos requer uma boa dose de paciência, controles rápidos e precisos. Rayman Legends é viciante. A cada estágio vencido o jogador é recompensado de várias formas. Bilhetes com novas fases, criaturas, lums, entre outras coisas pipocam pela tela, fazendo com que a vontade de continuar avançando seja grande e parar de jogar não será fácil. Aumentar seu nível de grandiosidade se tornará seu objetivo por bastante tempo. Existem fases vindas direto do game anterior, Rayman Origins. Jogá-las intercalando com as exclusivas de Legends se torna um bom exercício de análise de Level Design. É perceptível a diferença entre os dois jogos. Enquanto o novo se foca em deixar o jogador sempre em movimento, o antigo pede um pouco mais de calma e paciência para cruzar as fases, por exemplo. Vale conferir.

Outra grande vantagem em relação a versão do Wii U é o idioma. O jogo foi totalmente adaptado para o nosso português (com exceção de algumas palavras que ficaram em português de Portugal, como ecrã, por exemplo) em todas as plataformas que passou, exceto no Nintendo Wii U. Erro corrigido na versão de Nintendo Switch. Mesmo que não seja essencial compreender todos os textos para curtir o jogo, essa localização ajuda bastante aqueles que não dominam o inglês.

Se um game multiplataforma sai para um console Nintendo sem mimos referenciando os ícones da empresa, está fazendo muito errado. A edição definitiva de Rayman Legends conta com as roupas inspiradas nos irmãos Mario que estavam presentes no Wii U também. Rayman e Globox Encanadores transformam os personagens em Mario e Luigi. Colocá-las pode fazer com que você se apaixone e nunca mais queira usar outra coisa.

Rayman Legends Definitive Edition é sim a versão mais completa de um dos melhores games de plataformas que existe. Permitindo utilizar o comando de toque e botões dependendo do modo que você utiliza o console, a Ubisoft abraçou a natureza híbrida do Switch e entregou um material muito bem acabado, tornando o que já era bom ainda melhor. Loadings maiores e a falta da função HD Rumble estão ali pra lembrar que nada é perfeito, mas conseguimos deixar de lado para curtir a grande experiência que é esse belíssimo game.

Mesmo que você já tenha jogado Rayman Legends à exaustão em outros lugares, a recomendação é retornar ao universo do game no Nintendo Switch assim que possível, pois o jogo nunca se sentiu tão em casa quanto nesse console, e é certo que, começando a jogar, não vai mais querer parar.