[REVIEW] Nostalgia e novidade se misturam em SONIC MANIA

Desde o anúncio de Sonic Mania, os fãs de longa data do ouriço mais rápido do mundo esperaram ansiosamente. A cada novidade mostrada, uma coisa era certa, o velho e querido Sonic estava de volta ao seu melhor estilo. A expectativa não poderia ter sido melhor atendida. Gráficos lindíssimos, jogabilidade clássica e muito, mas muito carisma, marcam o game que já está na lista dos melhores jogos de plataforma do ano.

Sonic em boas mãos

Sonic Mania surgiu como um projeto de comemoração de 25 anos do mascote. Christian Whitehead, produtor, conseguiu provar à SEGA que era capaz de trazer a velha nostalgia para os tempos atuais com as remasterizações dos clássicos Sonic CD, Sonic 1, Sonic 2 e Sonic 3 para celulares e computadores. Fez isso de uma forma tão competente, que logo recebeu o aval para produzir uma nova aventura. Se juntou com os estúdios Headcannon e PagodaWest Games para trazer o game à vida.

Nostalgia, mas sem esquecer as novidades

Repleto de nostalgia, desde a animação inicial, até os filtros que podem ser utilizados, simulando o efeitos das TVs de tubo dos anos 90, o game passeia por vários cenários conhecidos, além de apresentar novos. O charme se encontra na mistura feita aqui. O primeiro ato de cada Zona remete diretamente ao que já vimos nos jogos antigos. Green Hill Zone está lá gerando arrepio nos velhos jogadores, mas o Ato 2 adiciona elementos totalmente inéditos. Chemical Plant Zone continua linda e com aquela trilha clássica, mas no segundo ato se transforma, adicionando locais e mecânicas totalmente novas na franquia, até mesmo a música tem elementos novos pra ajudar na brincadeira. E esse ritmo se repete ao longo do game. Existem também coisas inéditas como a Mirage Saloon Zone, que se encaixa tão bem, que passa a impressão de estar ali desde sempre e nunca reparamos. Tem também a Studiópolis, que remete diretamente a Cassino Night Zone de Sonic 2, mas soa totalmente nova e divertida.

Física intocada

Uma das reclamações dos jogadores sobre as aventuras pós Mega Drive do personagem, era a alteração na física e mecânica de jogo. Sonic sempre foi um game que mistura exploração e velocidade. As armadilhas ali presente quebram as expectativas do jogador e forçam a pensar em como avançar antes de sair correndo. O level design estimula a correria, ao mesmo tempo que obstáculos tentam parar o personagem o tempo todo. Diferente da maioria dos jogos plataforma da época, Sonic The Hedgehog não possuía estágios com apenas um caminho linear, permitindo uma exploração vertical, diferentes passagens secretas e inúmeros segredos bem escondidos. Trabalhar usando a física do personagem para alcançar os objetivos era o grande charme do jogo. Tudo isso se encontra intocado aqui. Com as maiores possibilidades dos hardwares atuais, as dimensões foram expandidas e ainda mais segredos podem ser encontrados nas fases. Uma boa exploração é mais que recomendada.

Amigos confirmando presença

Possibilitando jogar não só com Sonic, mas também com Tails e Knuckles, o game adiciona horas e horas de exploração nas fases gigantescas. O inusitado modo Knuckles & Knuckles é baseado em uma brincadeira da internet, que coloca o personagem vermelho interagindo com ele mesmo. Existem também as fases bônus, que fornecem moedas que servem para adquirir extras fora do jogo, e as clássicas esmeraldas, que agora são encontradas em um novo estilo de fase em 3D, com gráficos em poucos polígonos, que lembram os vistos no início da era 3D do personagem, no Sega Saturn.

Sonic Mania é como aquele velho amigo sumido há um tempo, que retorna com todas as suas qualidades intocadas, mas cheio de novidade pra contar. Um deleite para quem jogou os antigos, e uma belíssima porta de entrada para aqueles que nunca se aventuraram na franquia. Sonic Mania está disponível para PC, Xbox ONE, PS4 e Nintendo Switch, versão usada para a análise.