[NINTENDINHO] PODE faz uma leitura pura e sincera do poder e da importância da amizade

O universo dos jogos multiplayer é formado por diversos elementos que trazem experiências únicas aos jogos, cooperativo, competitivo, battle royale, ‘atrapalhativo’ [se você jogou Super Mario 3D World ou Yoshi’s Woolly World em multiplayer, sabe do que eu estou falando], existem formas e mais formas de se jogar com os amigos, mas poucos jogos oferecem uma experiência tão profunda quando PODE.

O jogo acompanha uma estrela cadente que cai na terra e encontra uma pequena pedrinha. Logo os dois estão dependendo um do outro para conseguirem seguir em suas jornadas, e isso vai gerar um vínculo muito especial entre estes personagens, que será a base de toda a experiência que o jogador irá viver no jogo.

PODE pode [PODE pode? Pode!] ser jogado totalmente em modo single player, com o jogador controlando os dois personagens [mais ou menos como acontecia em Triforce Heroes], mas não é assim que você vai querer jogar este jogo. A cooperação é crucial para a essência do jogo, e se você puder/tiver alguém para jogar com você, essa é a experiência certa para se ter em um jogo com esse nível de profundidade.

O jogo não possui diálogos, é apenas gameplay e curtas cutscenes que interligam os ambientes a serem explorados pelo jogador. Mas isso não quer dizer que ele não tenha uma história, ou que não saiba como contar uma. Muito pelo contrário, ele possui uma sensibilidade invejável que é exposta ao jogador sem precisar falar uma palavra. As imagens tratam de falar por si, e elas sabem muito bem como cumprir seu papel.

O sistema de gameplay é bem simples. O jogador que está com a estrela cadente controla plantas e sua luz revela pinturas que estão escondidas na paredes [que serão de extrema importância para decifrar alguns puzzles] e o jogador que está com a pedra controla… pedras. Assim, os dois precisam ir descobrindo dentro de cada cenário os lugares escondidos para ativar seus poderem e irem completando-o com a beleza de plantas e pedras diversas, deixando extremamente vivos e coloridos os ambientes que antes estavam vazios.

E enquanto em alguns momentos cada jogador pode cuidar do seu elemento dentro daquela sala, é apenas colaborando um com o outro que vocês serão capazes de seguir para a próxima. As interações com o cenário se completam e vocês irão precisar estudar sua estrutura para criar uma estratégia que permita que a porta para a próxima sala se abra. Muita comunicação vai ser necessária até que um resultado favorável apareça.

PODE trabalha a relação de amizade que se cria entre duas criaturas que acabaram de se conhecer e como ela cresce durante sua jornada juntos, fazendo com que um dependa do outro, sem jamais perder sua individualidade. Um laço que vai uni-los para sempre, e que vai permitir que eles possam alcançar o que quiserem trabalhando juntos, confiando um no outro, sabendo que, precisando ou não, seu amigo estará sempre ali para te ajudar. E o jogo sabe ilustrar bem isso, mesclando momentos de individualidade com elementos de cooperação, que se misturam sem que você consiga perceber onde um começa e o outro termina. Dessa forma, ele mostra a importância de se ter um amigo, uma pessoa em que você pode confiar totalmente, e que está disposta a te ajudar e te apoiar em todos os momentos.

A direção de arte do jogo fez um trabalho impecável, e a transformação que o jogo oferece em alguns cenários é linda, ambientes escuros e sem vida se transformam em mundos vivos e multicoloridos. Muitas vezes é doloroso ter que deixar um ambiente, a vontade é que tenha mais a explorar, mas é reconfortante saber que a próxima sala é cheia de novidades e pode proporcionar uma locação ainda mais bonita.

O jogo é relativamente curto, mas alguns puzzles vão consumir bastante do seu tempo, e ele possui um sistema de colecionáveis que vão fazer com que os que buscam 100% voltem em algumas salas e isso aumenta bastante o fator replay. Sem contar que, ao terminar, a vontade é simplesmente começar tudo de novo, porque é bem difícil se cansar daquela mecânica.

PODE definitivamente é um dos grandes destaques positivos do ano, e sabe como representar bem o estilo de gameplay que proporciona. Uma aventura emocionante e linda, que é indispensável para qualquer dono de Nintendo Switch, principalmente se você estiver procurando algo para jogar a dois.

Review feito com código gentilmente cedido pela Henchman & Goon.

Jornalista.
Hylian.
Mas talvez seja um Kokiri.
…ou um Korok.