[NINTENDINHO] Beleza e diversão se misturam no mundo de STEAMWORLD DIG 2

O mundo de SteamWorld não para de expandir, e agora é hora de embarcar no quarto jogo da série. Após as aventuras de SteamWorld Tower DefenseSteamWorld Dig e SteamWorld HeistSteamWorld Dig 2 chega ao Nintendo Switch com a proposta da Image & Form Games de reafirmar o sucesso de uma franquia que vem ganhando adeptos e fãs por onde passa.

Em SteamWorld Dig 2 você assume o controle da personagem Dorothy que, assim como a maioria dos outros personagens que hoje domina a Terra, é um robô steampunk, e está em busca de seu amigo desaparecido. Toda a trama do jogo irá girar em torno dessa busca. Os humanos não foram totalmente extintos do planeta, mas o que restou de sua raça não representa o que há de mais amigável na Terra dominada pelos robozinhos.

A mecânica do jogo está clara no nome da franquia. Dig (cavar). Seu objetivo é cavar e cavar, encontrando inimigos, jóias, relíquias, dinheiro, túneis, passagens secretas, cavernas, civilizações perdidas, e muitas outras coisas que podem ser encontradas debaixo da terra.

O sistema de cavar é complexo, porque alguns movimentos errados e você perde alguns itens, cai na armadilha de alguns inimigos, e fica sem alcançar alguns lugares importantes que podem te render uma boa recompensa. Portanto é prudente explorar bem o que está ao seu redor antes de sair cavando de forma descontrolada.

O mapa do jogo é propositalmente confuso, fazendo com que você se perca, dê voltas e caia sempre no mesmo lugar e até encontre algumas áreas sem querer enquanto procura outras. Existem diversas áreas secretas escondidas atrás de pedras que aparentemente não podem ser cavadas, alavancas, caixas, tudo deve ser explorado á exaustão e tentado (mesmo que pareça que não vá funcionar) para que você encontre tudo o que está escondido pelo jogo.

Derrotar inimigos te dá XP, e à medida que vai subindo de nível, você melhora seus bônus de vendas e outros atributos que vão te ajudar a melhorar suas armas e equipamentos. Lanterna, bomba, picareta, tudo o que você carrega e que te ajuda a cavar seu caminho pelo jogo pode receber ótimos upgrades, que vão facilitando sua jornada enquanto o jogo vai ficando mais difícil e o caminho a ser cavado vai se transformando cada vez mais em um verdadeiro labirinto.

Muitas vezes, após passar um longo período cavando, chega a ser reconfortante voltar à superfície, ver o céu, sentir a luz do sol, porque o ambiente nas cavernas é claustrofóbico e quanto mais você se aprofunda em alguns ambientes, mais sem saída parece que você fica, mesmo que, muitas das vezes, é exatamente a saída para um novo local que você esteja exatamente procurando.

UM NOVO MUNDO, NO MESMO MUNDO

Apesar de trazer mecânicas conhecidas na série, e apresentar um universo familiar para quem jogou os games anteriores, SWD2 concebe uma ambientação que se adapta aos jogos atuais, mesclando o estilo metroidvania com cenários que possuem uma profundidade que só é possível com as tecnologias atuais disponíveis nos consoles. As ambientações são lindas quando você está explorando o mundo da superfície, com montanhas gigantes, penhascos, vilas, desertos, e todo tipo de ambientação que remete ao Wild West norte-americano. Dentro das cavernas também existe essa profundidade, principalmente quando você está em ambientações que lembram templos perdidos pela civilização que hoje já não domina mais a Terra.

Quem já jogou os jogos anteriores irá se sentir em casa, tanto com o estilo das ambientações quanto com o gameplay. Mas quem nunca jogou nenhum game da série e quer começar com SWD2 também se sentirá confortável, uma vez que o jogo apresenta uma curva de aprendizado para novos jogadores, tornando-se receptivo para quem está começando e não teve oportunidade de experimentar as aventuras anteriores.

Dessa forma, o jogo cria uma dificuldade progressiva, que estabelece uma transição natural entre um chefe e outro, permitindo que você possa dosar da forma que preferir seus upgrades, utilizando o que você recebe a seu favor e trilhando seu caminho de uma forma que os desafios não chegam a ser fáceis a ponto de se tornarem entediantes, mas que também não são difíceis de maneira frustrante.

ENCONTRE SEU CAMINHO

Por mais que o processo de cavar possa parecer repetitivo e cansativo no começo do jogo, uma vez que apresenta diversas texturas de terra e algumas delas precisam de um pouco mais de dedicação para que você consiga atravessar, o jogo não demora a oferecer alternativas ao jogador, como cavar mais rápido, destruir células adjacentes, explosões, entre outras coisas, então cabe ao jogador decidir quais upgrades irá habilitar primeiro para que sua jornada se torna mais agradável. Além disso, o sistema de upgrades não funciona de forma definitiva, permitindo que você possa, no meio do caminho, retirar um que foi adicionado, recuperar seus pontos, e acrescentá-lo em outro que você acredita ser mais útil naquele momento.

Mas a melhor parte é que é você quem decide o caminho a ser seguido, uma vez que o jogo oferece uma extensa área repleta de terra que pode ser escavada, e você tem a liberdade de se locomover para onde quiser (obedecendo as regras ditas anteriormente, que podem acabar te deixando sem acesso a alguns lugares uma vez que Dorothy não cava para cima) e procurar por todos os tesouros que estão escondidos pelos cenários. Cabe a você decidir se irá seguir em frente, ou ficar trilhando diversos caminhos pelo mesmo cenário até poder limpar tudo. Isso irá gerar muito mais trabalho, pois seu inventário é limitado e você precisará voltar sempre aos vilarejos para descarregar sua mochila. Mas uma vez trilhado o caminho, ele permanece aberto, facilitando o vai e volta.

Cuidado para não se perder. O mapa aparece pequenino na tela, mas é de fácil leitura e facilita muito na hora de encontrar seu caminho e analisar qual a melhor forma de chegar ao seu destino. E no menu de Start (+) ele pode ser analisado com mais calma. Além disso, o jogo possui uma opção de auto-destruição, que irá explodir Dorothy e levá-la para o último checkpoint, no caso mesmo de você se encontrar sem saída e quiser tentar novamente, o que não acontece com frequência, mas pode acontecer.

Mas nem tudo se resume a apenas cavar. O jogo possui uma variedade de cenários que irão desafiar suas habilidades para alcançar determinadas áreas. Escalar, pular, utilizar cordas, tudo o que o jogo te oferece pode ser usado a seu favor, basta que você saiba aplicar cada item (e principalmente cada upgrade) ao momento necessário.

A BELEZA DO STEAMPUNK

Extremamente detalhado e colorido em sua estática, o jogo tem uma riqueza visual que oferece um estilo único e fortalece a identidade da franquia. Todos os cenários são extremamente bem cuidados e concebidos em cada mínimo detalhe, oferecendo uma imersão completa naquele mundo e uma naturalidade na forma como o seu personagem interage com ele.

SteamWorld Dig 2 é um dos melhores representantes do incrível trabalho dos desenvolvedores indie no Nintendo Switch. A Nintendo sempre tem uma biblioteca completa e diversificada de jogos indies em seu catálogo, e SWD2 se destaca dentre esses projetos, por representar um trabalho muito bem feito e por trazer desafios e estilo artísticos mesclados de forma invejável. É um título indispensável para quem curte o saudosismo do estilo metroidvania, e recomendado para todos os donos do portátil, pois oferece uma aventura extensa e completa, ao mesmo tempo que pode proporcionar pequenas doses de gameplay para quem quiser apenas passar o tempo um pouco, onde quer que esteja com seu Nintendo Switch, se adequando à proposta do console.

Este Review foi produzido com a versão de Nintendo Switch gentilmente cedida pela Image & Form Games.

Jornalista.
Hylian.
Mas talvez seja um Kokiri.
…ou um Korok.