Detalhes, segredos, esperanças e teorias do último trailer de BREATH OF THE WILD

Então a Nintendo soltou mais um trailer de The Legend of Zelda – Breath of the Wild. Mas chamar esse trailer de ‘mais um’ é uma ofensa. Porque ele é O TRAILER, a experiência definitiva para quem estava e também para quem não estava interessado no jogo. Um compilado de pouco mais de três minutos capaz de deixar qualquer fã de Zelda literalmente chorando por não poder jogar essa maravilha imediatamente.

E dentro desse mar de informações que esses três minutos proporcionam, decidimos mostrar alguns detalhes, coisas que achamos interessantes e teorias que podem estar escondidas dentro das imagens que, apesar de parecer um conglomerado de cenas do jogo, contam uma história mais concisa do que parece, e pode revelar aspectos importantes da trama.

O trailer começa com uma narração de um personagem que ainda não conhecemos. Mas como fica claro que é uma das anciãs de Hyrule, contando a história do que aconteceu através das eras, nosso chute é de que é a Impa. Desde os primeiros anúncios do jogo, tudo o que vimos está diretamente ligado aos Sheikah. Entretanto, ainda não vimos nenhum membro da raça no jogo. E como Impa é uma das principais Sheikah do jogo, por ser a guardiã da família real, ela deve ter um papel importante nessa história (assim como teve em Skyward Sword). E como Skyward Sword mostrou que Impa tem total controle do Gate of Time, acreditamos que todas as impas mostradas em todos os Zeldas até hoje, na verdade, são a mesma pessoa. Ela viaja no tempo para proteger Zelda em todas as eras, e por isso ela viu muita coisa, presenciou muita coisa, lutou em muitas batalhas, e é a única que tem conhecimento suficiente para narrar a história com fidelidade, por ser onipresente e onisciente durante todos esses séculos em que o Herói luta com a Calamidade.

Mas vamos voltar um pouco, antes ainda de começar a narração. Enquanto a câmera passeia por lindos cenários do jogo. Logo no primeiro, vemos a Death Mountain ao fundo, e um conglomerado de construções coberto por uma nuvem. É difícil dizer se é Hyrule Castle, já sobre o domínio de Calamity Ganon, mas ainda dormente, por isso ele aparece coberto por névoas. E apesar de, em outras tomadas do castelo, ele não aparecer tão perto de encostas, ou do mar, como nessa imagem, devemos lembrar que o mundo do jogo é tão amplo que algo visto ao longe pode não estar tão perto ou tão longe quanto imaginamos. Ele pode estar proeminente, nesse ângulo, mas ainda assim estar a quilômetros de distância dessa praia.

Ou pode ser uma área ainda mais importante do que o Castelo. Talvez uma área sagrada dos Sheikah, o verdadeiro destino do herói para adquirir poderes o suficiente para ir atrás de Ganon. Seja o que for, a forma como está coberto mostra que é uma parte importante do jogo, que precisa ser descoberta, algo que pode ser crucial para o desenvolvimento da trama.

A mesma construção esfumaçada, vista por outro ângulo. Perceba sua localização em relação à Death Mountain.

Em seguida, somos apresentados a um personagem de extrema importância na série, a Deku Tree. Todos os Koroks estão na floresta. Nossa teoria é de que os Koroks são mais do que apenas easter eggs no jogo, principalmente com a aparição da Deku Tree, colocando o jogo definitivamente na timeline de The Wind Waker, mas esse não é o momento para discussão de timelines.

A Deku Tree também é a guardiã da Master Sword ‘sem vida’. Quer dizer, ela era sem vida até então, mas nesse vídeo vemos que, mesmo quebrada, ela emite uma luz, ela aparenta ainda ter vida. Fi.

Em outra tomada, podemos ver Link, com o castelo ao fundo, totalmente dominado por Calamity, mas sem a entidade rondando ele. Então uma das torres sobe da terra, e a entidade parece se atormentar com isso. Acreditamos que toda vez que Link despertar uma dessas torres, isso deve causar um distúrbio em Calamity, uma vez que elas têm o símbolo Sheikah e servem ao reino. Isso vai atormentando mais e mais Ganon, até que ele fique totalmente fora de controle, e você precise enfrentá-lo.

E então vemos Calamity Ganon bem de perto, em sua forma de porcão demoníaco entidade fumacenta muito louco.

Mais adiante, no caminho, Link aparece ao pé da Master Sword, e neste ângulo, é claro que ele está olhando para a Deku Tree. Mas o interessante nessa cena é que a espada está inteira, sem o enferrujado e as partes quebradas da espada derrotada. Então essa cena deve acontecer no passado, seguindo a teoria das duas timelines que já discutimos enquanto analisávamos o trailer anterior.

Nessa hora, a Deku Tree está falando com Link que ele parece não se lembrar dele, e que está na hora dele saber o que aconteceu há 100 anos atrás. E esse flashback deve ser totalmente jogável, porque é nele que Zelda aparece com mais frequência, e Link está sempre usando a Master Sword nesses momentos.

Zelda aparece pela primeira vez em um dos altares das estátuas da Deusa, que está totalmente destruído, resultado das constantes guerras que Hyrule é submetida com o decorrer das eras. E esse lugar é absurdamente familiar.

As cenas de batalha que se seguem confundem um pouco, porque mostram Zelda em dois momentos diferentes. Utilizando um manto branco e utilizando as roupagens azuis que devem ser tradicionais do reino naquela época, porque têm o mesmo padrão das roupas de Link.

Vamos parar um momento aqui para apreciar o aparecimento de todas as raças que conhecemos e aprendemos a amar. Os Koroks apareceram mais cedo, na floresta, e então temos:

Goron

Zora

Rito?

Gerudo

Fountain Fairy

E essa Gerudo parece ser uma grande aliada do herói em sua jornada. E percebam que esses bichos que aparecem ao lado deles funcionam como uma espécie de arma contra alguns inimigos, você os controla por uma corrente.

E tomara que sirvam também de montaria. Vai ser legal percorrer alguns desertos montados nessas criaturas.

Voltando às duas vestimentas em que Zelda aparece. Nós acreditamos que as cenas do trailer, apesar de contarem uma história, estão fora de ordem exatamente para confundir, e funcionam da seguinte forma:

Zelda de branco são as cenas do passado, porque ela aparece com as mesmas roupas em uma cena em que o reino ainda está de pé. O castelo ainda pertence ao reino, e está inteiro.

Neste momento, uma voz diz: ‘Você deve salvá-la. Minha filha’. E como Link não se lembra de nada onde ele acordou. Não se lembra da Deku Tree, não se lembra de Hyrule, ele também não vai se lembrar do rei Daphnes Nohansen, mas ele estará lá para guiá-lo em seu caminho. Talvez seja outro rei de Hyrule, mas seria ainda mais impactante se fosse mesmo King Daphnes. De qualquer forma, Old Man, que é uma referência ao primeiro The Legend of Zelda, vai ser um personagem de extrema importância, e se ele é um ser que está sempre ali, vigiando aquela terra, ele é um dos reis de Hyrule, e está fazendo o mesmo que Daphnes fez em The Wind Waker.

Ao lado de Zelda, Link irá travar uma das maiores batalhas que sua terra já viu.

Link a consola em uma das cenas mais emocionantes do trailer, porque seu reino está perdendo a guerra…

…mas Zelda sempre fez de tudo para salvar Hyrule, e ela ajuda o herói…

E percebam que nessa cena Link está utilizando a Master Sword toda destruída. Provavelmente ela ficou assim como resultado de uma batalha sem fim com o que agora conhecemos como Calamity Ganon.

E eles lutam lado a lado, protegendo um ao outro e seu reino até o fim.

E acreditamos que, literalmente, até o fim. Link morre nessa batalha. Porque no final, vemos apenas Zelda, toda suja e machucada como resultado da batalha, buscando abrigo com a Deku Tree, uma vez que Calamity Ganon agora domina seu reino.

Mas Hyrule é uma terra mágica, e Link então foi ressuscitado dentro do Shrine onde o jogo irá começar. Não acreditamos que ele estava dormindo por todo esse tempo, mas que seu corpo estava sendo mantido naquele lugar, até que alguém, sob o domínio da Triforce, tivesse poder o suficiente para ressuscitá-lo.

E então entra a Zelda de azul. Porque mais cedo, no trailer, ela fala: ‘Tudo o que fiz até agora, foi para nada?’. Zelda, por sua vez, deve ter conseguido se manter em um estado dormente, de conservação, até que o herói fosse ressuscitado. E então ela luta ao lado dele, com as roupas azuis (seus caminhos devem se encontrar e desencontrar durante o jogo). E essa fala, ‘tudo o que eu fiz’, ela deve estar se referindo ao que ela e a Deku Tree fizeram para trazer o herói de volta, e está com medo de que a história se repita, e que eles pereçam mais uma vez sob a força de Calamity Ganon.

Nossa viagem termina aqui. Faltam pouco mais de 40 dias para o jogo e então saberemos o quanto disso nós acertamos. Mas de qualquer forma, mesmo que estejamos totalmente errados, uma das melhores partes de se esperar por um Zelda é teorizar, e gostamos de imaginar, de sonhar, de viajar nas possibilidades do jogo, antes de cairmos de cabeça na aventura.

Nos vemos no dia 03 de março em The Legend of Zelda – Breath of the Wild.

Jornalista.
Hylian.
Mas talvez seja um Kokiri.
…ou um Korok.